sábado, 21 de junho de 2008

65 HORAS ! QUAL A SOLUÇÃO




Visto a frio, imparcialmente, como aconselhava, César Vallejo, (*), o humilde mestiço peruano com "voz de menino castigado", temos que reconhecer que levantar uma mala sem fazer esforço, não tem mérito nenhum.

Por isso, pus-me a pensar se haverá um frontal repúdio, por parte do Governo, (coloquei letra gorda, para ficarem mais inchados), Sindicatos, (idem, no que se refere ao Governo) e Partidos Políticos, (bi-idem, não existe?. Então idem, idem, aspas, aspas !), à jornada de trabalho de 65 horas.

Naturalmente que, trabalhando mais, podem superar-se, as mais difíceis situações, bem como outras quaisquer.

Nós, portugueses, temos recebido ofertas mais sugestivas que estas e temos sabido rechaçá-las.

A directiva do tempo de trabalho aprovada no Luxemburgo, pelo Conselho de Emprego, Política Social, Saúde e Consumidores, (será isto ???), que permite, tanto aos estados membros, como ás nações "membras", alargar a jornada de trabalho, não teve o menor acolhimento ou êxito.

Os nossos árduos e múltiplos problemas têm que ser solucionados de outra maneira, se não queremos fincar o pé, mas temos que descartar a hipótese de fincar o ombro.

Estamos obrigados a procurar qualquer outra solução menos incomodativa.

Além disso, é mentira que os trabalhadores portugueses, trabalhem pouco.

Isso seria antes, quando o trabalho abundava, mas de nenhum modo é certo agora, quando escasseia.

A intenção de modificação, talvez derivado do futebol, tem sido esquecida pela UGT e CGTP, sendo que é uma "regressão na protecção dos trabalhadores" e do "maior ataque" ao direito laboral europeu, desde que existe a U.E., (será isto que vão dizer?).

Foi mau o momento escolhido para introduzir modificações.

Li que aquele político tão sensato, Jordi Pujol, presidente da " Generalitat de Catalunya", que lamento não ter nascido no Porto, por exemplo, vaticina para a Europa um "Maio francês", ou seja um estouro misteriosamente unânime do larvar descontentamento da colectividade.

"Depois das rochas está a praia".

Agora, debaixo das rochas estão os subsecretários.

Por ordem hierárquica.


(*)
CESAR VALLEJO, (1892-1938),poeta peruano, está para o Peru, como Pablo Neruda para o Chile.


2 comentários:

daniel disse...

José Torres

A tentativa de nova directiva para o horário de trabalho, vai dar em nada, não alcanço sentido.
De resto trabalhei, nos dias grandes à média de 12 horas por dia e o que se pensa facilitava-me.
Sente-se isto a guinar a em curva má. Sabe-se lá, para que caminho segue o mundo!...
Daniel

xistosa - (josé torres) disse...

daniel

Posso falar, porque estou reformado ... rssss, rssss
Mas trabalhar faz bem e coloca o serviço em dia ...
Alguns nem deviam dormir ...
Aqui na minha rua, a EDP, para substituir lâmpadas, "rasgou" a rua toda, junto dos postes ...
já se passaram uns meses ...
Por isso 65 horas semanais, acho pouco ...
Bom fim de semana.