quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

DI STEFANO - O DEUS dos RELVADOS



Avião do Real Madrid, baptizado, "La Saeta", ( a seta ou flecha), em homenagem a Di Stefano, (na foto, o da bengala).





Desde Walt Whitman (*), que não se havia dado semelhante esplendor na relva.

Apesar de português, senti uma "pequena lágrima ao canto do olho" das que ainda me restam, ao ver Di Stéfano, receber o Prémio Presidente da UEFA, que é o Nobel do futebol.

Antes de inaugurar uma estátua com a sua imagem, da autoria de Pedro Montes, no estádio de Valdebebas com o seu nome, ( onde joga a equipa B do Real Madrid ), Di Stéfano recebeu de Michel Platini o prémio “Presidente UEFA”.
“Entre os nomes escritos a ouro na história do desporto, há um lugar especial para Alfredo Di Stéfano.

A história do futebol não pode ser imaginada sem ele.

- "É o primeiro prémio que entrego como presidente da UEFA e apenas os grandes receberão esta honra.
Obrigado por tudo”, afirmou o dirigente francês.

Jogou pelas selecções da Argentina, da Colômbia e de Espanha.

A "Flecha, ou Seta loira", como o designaram, é agora um senhor calvo e com bengala, mas continua a acertar em todas as Dianas.

Em jovem, "Cho", como carinhosamente o tratavam, até voava.

Ensinava muito, quer depois dos jogos, quer nos programas desportivos, sem câmaras.

- " O futebol é uma coisa que se faz a correr e tudo o que faças tens que o fazer a correr".

Era um inveterado bebedor de whisky e comedor de percebes.

Não sei se continua a sê-lo.

Também falar de futebol era considerado adequado ao seu interlocutor, fosse qual fosse.

Li algumas entrevistas dele e sempre disse o que todo o mundo dizia, mas gostava de lê-lo.

Foi o maior jogador que pisou relvados espanhóis e principalmente do Real Madrid, de quem é presidente honorário.

Com ele, não se podia chamar um desporto colectivo.

O mesmo se pode afirmar do boxe e do ténis, mas ele era uma estrela que sempre brilhou.

Quem melhor o definiu foi, Pedro Escartín, (jogador internacional, que acabou a carreira muito jovem devido a lesão pulmonar, árbitro prestigiado a nível internacional, foi membro e presidente do Colégio Nacional de Árbitros espanhóis, seleccionador espanhol), que descodificou e descreveu a diferença dos grandes directores de orquestra, Pelé, Maradona, Cruyff e do homem que sozinho era uma orquestra inteira.

"Cho" começou a jogar a médio direito, mas um dia resolveu perguntar ao técnico "porque não jogava no campo todo, lá na frente".

Honra!

Honra a este espanhol-Argentino, que ficou para sempre em Espanha.

Sabe-o bem "Martin Fierro" de cor e salteado e ouve tangos logo pela manhã.

O que diria a relva, do Santiago Bernabéu, se falasse?

(*)
Poeta norte americano, (1819-1892).
A sua maior obra, com 7 edições, algumas ampliadas com poemas, foi a que
desde 1855, (por conta própria, publicou), denomina-se, "Leaves of grass", (Folhas de Relva).


11 comentários:

Anónimo disse...

A Seta Loira

filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...

Premio Capri San Michele

xistosa - (josé torres) disse...

Li hoje aqui

Grande HOMBRE!!!

filomeno2006 disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
filomeno2006 disse...

Premio "Guijuelo de Oro" 2007